sábado, 30 de janeiro de 2016

Amamentar em público

Até há uns meses atrás a polémica da amamentação em público passava-me completamente ao lado. Para mim é das coisas mais naturais do mundo e desde pequena estou habituada a ver as mulheres da minha família a darem de mamar aos meus primos bebés enquanto estamos todos na sala de estar, por exemplo.
 Agora que penso nisso, não sei se alguma vez vi esse acto em público. Mas até é provável ter acontecido, só que sendo uma coisa tão normal e indiferente para mim nunca me chamou a atenção.
 Até que vi este vídeo, em que pessoas vão mesmo dizer à "mãe" que o que ela está a fazer é nojento e horrível. Juro que fiquei chocada. Mesmo que as pessoas não gostem de ver mamas em público (está na liberdade de cada um), trata-se de um acto de nutrição e não de exibicionismo. Claro que as mulheres costumam gostar de locais mais sossegados e discretos, mas também não acho que seja imperativo ou mais importante que a fome do bebé.
 Melhor do que eu, acho que a senhora do vídeo abaixo explorou muito bem esta controvérsia.



Qual a vossa opinião sobre o assunto?


Tenham um óptimo fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Eu tenho um sonho

Eu tenho o sonho de que um dia poderei ir a um bar/café à noite com os meus amigos sem encher os pulmões de monóxido de carbono, carvão e sei mais que porcarias.
 Tenho o sonho de não ficar relutante ao dizer sim a um café com amigos por ter lavado o cabelo no dia anterior e não querer que ele fique a cheirar pior que as fábricas de papel por onde passava de carro em miúda a caminho da Figueira da Foz.
 Tenho o sonho de não acordar super enjoada com o meu próprio cheiro ou o da minha roupa só porque quis ter um serão diferente e ir jogar bilhar.
 Sim, já começam ser tomadas medidas de maneira a que já não se possa fumar em espaços fechados... O que é o mais que mínimo tendo em conta que já estão mais que provados todos os efeitos nocivos do fumo passivo do tabaco. Entristece-me não só as pessoas que fumam, que para além de fazerem mal a si próprias também muitas vezes se marimbam para a saúde dos outros (grávidas a fumar partem-me o coração), mas também os países que se dizem desenvolvidos mas permitem isto acontecer. 
 O argumento do "não gostas, não vás" é a coisa mais patética de sempre. Porque é que eu, que até hei-de dar menos despesas ao nosso sistema nacional de saúde, que nunca fiz mal a ninguém através de uma nuvem cancerígena, devo deixar de usufruir de locais de lazer?
 Falta imenso, mas a partir de 2020 o meu sonho tornar-se-á realidade finalmente em Portugal (notícia aqui). Mas para mim é só uma pequena parte do que se poderia fazer, até porque o mesmo governo que anda a tomar estas medidas também é o que aumenta os impostos e ganha mais dinheiro com o tabaco... o que é sempre suspeito.


Bom fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

P.S. Já recebi as notas todas e é com orgulho que declaro o meu penúltimo semestre com cadeiras concluído!

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Já não sou uma sem-abrigo de estágio!

 Desde Setembro que a necessidade de encontrar um local de estágio me assombrava a mente.
 A minha ideia era fazer metade do meu estágio curricular em Inglaterra e a outra metade cá.
 Depois de dezenas de negas internacionais, passei à acção de enviar email para hospitais na nossa capital. Enviei apenas a dois hospitais e a muito medo.
 Apenas obtive resposta de um deles, que me quis entrevistar. Fiquei com a última vaga e já ficou tudo acordado!
 Também vou poder fazer um mini-estágio nas férias em Inglaterra de 3 semanas. Vai saber a pouquíssimo com certeza, mas é melhor que nada.


Tenham o resto de uma óptima semana!

Com amor,
A Marquesa

domingo, 24 de janeiro de 2016

Eleições Presidenciais 2016

 Nestas eleições sinto-me um pouco desmotivada. Claro que vou votar, mas a uma hora de o ir fazer ainda não estou bem decidida de onde colocarei (e se colocarei de todo) a cruz no boletim. São imensos candidatos mas não sinto que haja um único com que me identifique a 100%.
 Para os que estão como eu, encontrei um guia muito simples e sucinto do que cada candidato defende aqui. Ainda não é tarde para irem exercer o vosso direito!


Com amor,
A Marquesa




sábado, 23 de janeiro de 2016

Uhuuu!

Passei ao cadeirão, caraças!
Ainda me falta receber uma nota para andar de consciência tranquila, mas mesmo que tenha de ir a exame é só dia 2.
 Já posso continuar de papo para o ar, mas sem o peso da consciência a chatear. 


Bom fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

5 blogs que foram amor à primeira vista

Todos os blogs que sigo despertaram-me interesse e conquistaram-me de alguma forma. Porém, há sempre aqueles que leio alguns posts e perco-me a ler mais e mais publicações logo da primeira vez. Hoje vim falar-vos de cinco deles, dos quais já devem conhecer alguns.

Conheci-o como "Encontramos em Veneza" e as imagens inspiradoras, a personalidade da Maria Francisca e a sua escrita deslumbraram-me. Desde então que a acompanho e torço por ela em todas as etapas e projectos.


Foi a escrita da Inês que me deixou presa no blog, post após post. Para além disso o seu positivismo, fotografias bonitas e personalidade fizeram com que fique contente sempre que vejo um novo post dela no meu feed.


Foi no blog "O beijo do Mocho" que li pela primeira vez textos da Cláudia. Adoro os textos fictícios, muitíssimo bem escritos, mas também gosto de ir sabendo os desafios que a blogger tem tido pela frente, sobre a vida familiar e profissional. Para além disso o design do blog é sempre original.


Nada melhora o meu humor como um desabafo da amiga Panda. É uma rapariga muito engraçada, que embora passe por muita porcaria má (para não dizer uma asneira) continua a gostar de fazer os outros rir e a ver o lado bom das situações. Embora esteja sempre na brincadeira, consigo imaginá-la como uma das minhas amigas e só lhe desejo bem. A ursa merece.


Não sigo muitos blogs de fotografia, mas adoro acompanhar o trabalho da Mariana. Ela diz que fotografa o amor e não poderia deixar transparecer mais isso pelas suas fotografias. Também nos seus textos me identifico com a sua curiosidade por viagens e por conhecer o mundo, pelo fascínio pela natureza e amor aos animais. É uma querida.

Conheciam todos?


Tenham um óptimo fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Have a little patience

Detesto este impasse. Ter terminado as frequências a semana passada mas ainda não ter todos os resultados e andar sempre a actualizar o email à espera de respostas para saber se vou a exames ou não.
No fim de semana descansei e procrastinei mas ontem e hoje tenho estado a ajudar na clínica veterinária onde costumo ir. Sempre dá para me ir distraindo e aprendendo ao mesmo tempo. 
 Entretanto vou tratando de um ou outro assunto do meu percurso académico, mas para já não vou vou contar nada para não "dar azar".
Espero que a vossa semana esteja a correr bem!

Com amor,
A Marquesa

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Manjares da Marquesa - Salmão & Limão

 Embora não tenha sido imediato, o gosto pela cozinha e o fascínio pela criatividade que este ofício pede já me tomaram o espírito.
 Para além de me inspirar em receitas que vejo pela internet (podem ver aqui os meus 5 sites de receitas favoritos), também sigo conselhos da minha mãe e avó ou simplesmente improviso.


 Já não sei em que receita vi que faziam uma "sanduíche" de peixe com rodelas de limão, mas lembro-me que adorei a combinação do aroma de limão no próprio peixe.
 Desta vez decidi utilizá-la numa posta de salmão, que é um peixe com sabor mais intenso e foi de me babar por aquilo!
 Baicamente só precisam de:

  • 1 limão
  • 1-2 postas de peixe à vossa escolha (previamente descongeladas)
  • Vegetais (e arroz no meu caso) para acompanhamento

Execução: Pré-aqueçam o forno a cerca de 200ºC. Foi nesta altura também que coloquei o tacho de água a ferver para fazer o arroz.
 Cortem o limão em rodelas e cubram o fundo do pirex com as rodelas, de maneira a conseguirem pousarem o peixe apenas sobre as rodelas de limão. "Reguei" o peixe com um ou dois fios fios de azeite.
 Para o arroz utilizei arroz agulha e feijão verde congelado, fervido apenas com uma pitada de sal que depois escorri.
 O salmão ficou no forno cerca de 15 minutos, mas o tempo vai depender do estado de congelação e quantidade de peixe que tiverem, por isso vão vigiando.
 Após o peixe estar pronto, basta retirar o peixe para o prato (sem limão) e servir. Voilá!


Tenham uma semana deliciosa!

Com amor,
A Marquesa

domingo, 17 de janeiro de 2016

Farewell Downton Abbey!

É sempre agridoce ver o final de uma série que adoramos.
A última vez que me senti assim foi com How I Met Your Mother (se bem que aquela última temporada e episódio ficaram muito a desejar em relação ao resto da série), por um lado desejosa por ver o que reserva aos personagens com que crescemos e adoramos, por outro querer que a sensação de ainda ter um episódio para ver se prolongue, porque não queremos que acabe.
 Downton Abbey foi uma série que começámos a ver os quatro cá em casa e que nunca ninguém se atreveu a ver um episódio sem os outros três. Num mundo de séries em que cada vez há mais cenas de sexo explícitas, violência e drogas (não que eu não as veja e goste) esta série passada no início do século XX era uma lufada de ar fresco.
 Desde o guarda roupa lindíssimo, aos diálogos bem construídos e personagens muito bem caracterizadas, nada faltou a esta série para ter entrada directa nas minhas favoritas de sempre.
 Vou ter imensas saudades da Condessa Violet Crawley e do mordomo Carson que se mantiveram fiéis aos costumes do passado, mas que com bom coração lá vão sendo flexíveis, das histórias de amor que se passaram pelas quatro paredes de Downton Abbey, pela redenção pelas quais tantos vilões passaram, pelas perdas de muitas das minhas personagens preferidas, por ver "em primeira mão" tantos acontecimentos históricos pelos olhos desta família...
 Obrigada aos argumentistas, realizadores e ao magnífico elenco por estes anos de puro entretenimento. Ainda estou com esperanças que haja mais um especial de Natal para o ano que vem!



Espero que estejam a ter um óptimo fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

sábado, 16 de janeiro de 2016

Ao rapaz da minha rua

Obrigada.
Quando me apercebi que a carteira pela qual já procurava há meia hora teria caído no meu caminho para o carro, pensei que estava perdida para sempre.
 Pensei que com sorte até a poderiam entregar na esquadra, mas só depois de retirarem o dinheiro (que mesmo assim eram uns 3€ no máximo).
 Pensei que entretanto teria que ligar aos meus pais para me cancelarem o cartão e que teria de ir pedir novo cartão de cidadão e carta de condução. Que não poderia conduzir até os novos chegarem.
 Tirei o telemóvel para fazer essa chamada e vi que tinha uma chamada não atendida do meu avô.
 Liguei e quando ouvi "Então Catarina, não te falta nada?!" vieram-me lágrimas aos olhos.
 Obrigada ao rapaz que quando reparou na minha carteira cor-de-rosa no chão se dirigiu ao café mais próximo ali na nossa rua e perguntou se alguém conhecia a rapariga do cartão de cidadão. Obrigada por deixar a carteira ao dono do café, para que ele perguntasse a quem lá fosse.
 Sim, foi uma sorte o meu avô ter ido lá logo depois. Mas sinto-me ainda mais sortuda por ter presenciado que ainda existem pessoas honestas e decentes neste mundo.


Para sempre grata,

Catarina



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

10 coisas pelas quais estou ansiosa que chegue 6ª à noite

  1. Fim das frequências.
  2. Não ter que estudar.
  3. Matar saudades dos pais.
  4. Não ter que estudar.
  5. Poder estrear o meu jogo de Just Dance 2016.
  6. Não ter que estudar.
  7. Ver o final de Downton Abbey e começar a pôr séries em dia.
  8. Não ter que estudar.
  9. Marcar coisas com os amigos de Leiria.
  10. Já disse que vou poder não estudar sem me sentir culpada?
Eu no próximo fim de semana! Ahah

Quem mais está na luta?

Com amor,
A Marquesa

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Parabéns Charles Perrault!

Uma das razões para ter o google como homepage assim que abro o chrome, é devido aos seus adoráveis doodles que comemoram datas especiais.
 O de hoje chamou-me a atenção por reconhecer ali o gato das botas (que para quem não sabe, era das minhas histórias preferidas em miúda e de onde vem o nome deste blog), pelo que descobri que o autor de histórias que tanto gosto foi Charles Perrault. Diz que foi o "pai" dos contos de fadas, portanto muitos parabéns e obrigada ao contributo que deixou ao mundo. Que seria de nós sem as histórias para sonhar e viver aventuras com criaturas místicas e heróis improvaveis?

                                                          

Continuação de uma óptima semana!

Com amor,
A Marquesa

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Ó minha burrice...

 Hoje tive um daqueles momentos em que logo que saí da sala da frequência, me lembrei da resposta a uma pergunta em que estive encalhada algum tempo...
 Que grande facepalm! É daquelas em que espero que o professor não associe a minha cara ao meu nome para não se rir da próxima vez que me vir.
 Mas adiante, que esta semana ainda faltam mais 4 frequências. Como diz uma amiga minha: Aguenta e não chora!


Espero que tenham começado a semana com o pé direito!

Com amor,
A Marquesa

domingo, 10 de janeiro de 2016

O Matadouro

Desde o primeiro ano do curso que ouvimos falar da visita ao matadouro no 5º ano.
A ideia repulsava-nos a todos, comentávamos que não ia sair ninguém daquela visita com os olhos secos, ou com vontade de continuar a comer carne.
 Fomos fazendo o nosso percurso académico. Começámos por estudar em cadáveres e depois a assistir a procedimentos em animais vivos, até ser a nossa vez de o fazer. Muitos de nós, tanto no hospital da faculdade como em estágios extra-curriculares contactámos com a doença, com a passagem dos peludos já sem hipótese alguma para o outro lado. Alguns de nós, inclusivamente, pressionámos o êmbolo da seringa com o líquido que acabou para sempre com o sofrimento de um amigo de quatro patas.
 Na minha visita ao matadouro, não vi ninguém com lágrimas nos olhos ou voz tremida. Vi, por um lado, curiosidade inerente a quem já ouviu falar deste processo em aulas teóricas e queria certificar-se que era tudo feito como ditam as normas de bem-estar, mas por outro, pessoas que já viram animais a lutar pela vida sem sucesso morrerem e estes que são saudáveis a serem sacrificados.
 Não, não me tornei vegetariana (pelo menos por enquanto). Mas acho que é um processo que não deve ser ignorado e posto de lado por todos os que consomem carne.
 Se antes pensava "que horror, nem pensar que alguma vez ponho um pé no matadouro, não quero nem imaginar um animal a morrer", agora sei que ao ser consumidora é uma coisa que não posso ignorar. Uma consequência das minhas acções. Tudo o resto seria hipocrisia.



Que tenham uma óptima semana!

Com amor,
A marquesa

P.S. Se feri a susceptibilidade de alguém peço desculpa, mas acho que é uma coisa super natural e realista.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Pequenos prazeres

Receber emails de aulas a serem desmarcadas em semanas em que o tempo é pouco e há imenso para fazer.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

1 ano sem Álcool

Olá, o meu nome é Catarina e não bebo álcool há 368 dias.
(Agora é a parte em que vocês dizem "Olá Catarina!")

Não, não sou alcóolica, mas quis fazer uma espécie de experiência social em 2015 e recusar bebidas alcoólicas a todo o custo.
 Contando um pouco da minha história com o álcool: Os primeiros golos foram aos 14 anos, as primeiras bebidas já no Secundário e só no primeiro ano da faculdade é que soube o que é estar bêbada. Já tentei gostar de cerveja, mas continua-me a saber a xixi e também não gosto de vinho tinto (que ainda é o mais saudável dentro das bebidas alcóolicas), portanto a minha adolescência foi mais à base de misturas de sumos com bebidas brancas. Desde que tirei a carta têm sido cada vez menos as noites em que consumo algo com álcool porque costumo sempre conduzir para casa.
 Porém, sempre me perguntei se teria curiosidade em experimentar ou beber se as pessoas à minha volta não o fizessem também.
 Depois de dia 1 de Janeiro de 2015, em que bebi licor de amêndoa amarga na festa da passagem de ano, pus à minha prova a minha capacidade de resistir à pressão social de beber bebidas alcóolicas.

O que eu descobri? Que para muita gente só é aceite que alguém não beba quando se sai à noite se for conduzir ou estiver a tomar medicação. E mesmo assim, mesmo assim... 
Tive uma amiga que quase ficou chateada por eu não beber álcool num jogo de uma festa, mas de resto toda a gente só estranhou a primeira vez quando eu disse que não bebia e depois aceitaram-no e já não contavam comigo para isso.

Se foi um grande sacrifício? Como sou gulosa e há umas bebidas que me sabem bem (Somersby e caipirinhas, esta é para vocês) às vezes custava um pouquinho quando via outras pessoas beberem, mas nada de mais.

O que eu aprendi com a experiência? Sim, grande parte de querermos beber álcool com amigos é para nos sentirmos intergrados no grupo. Tanto que se ninguém quiser beber (à séria) a não ser uma minoria, essas pessoas normalmente também não vão querer. Eu que me divirto e sou extrovertida quando sóbria, não achei nada as minhas noites e saídas com os amigos mais aborrecidas, pelo contrário.
 Por outro lado, começo a achar cada vez mais decadente pessoas que gastam rios e rios de dinheiro para se embriagar e manterem assim. É que aí já não podem dizer que é por gostarem da bebida X, é simplesmente degradante fazerem isso a eles próprios.

Se vou continuar? Sim. Este ano estive paralelamente a tentar tornar o meu estilo de vida mais saudável através de exercício físico e mudanças na alimentação. Tenho em atenção escolher alimentos com menos aditivos e açúcares, o que também se refletiu nas bebidas. Por isso para mim não fazia sentido beber água que só me faz bem durante o dia e depois à noite "envenenar-me".

Qual é a vossa experiência neste tema? 

Com amor,
A Marquesa

sábado, 2 de janeiro de 2016