domingo, 10 de dezembro de 2017

Ideias de presentes solidários

Se ainda estiverem a trabalhar no projeto de Caça às Prendas ou gostavam de conhecer algumas iniciativas solidárias, aqui ficam algumas ideias.

Lembro-me de ver caixas dos postais da UNICEF lá por casa desde pequena, que se encomendava para desejar boas festas aos clientes do meu pai. Acho que os designs se têm actualizado e diversificado, existindo muita opção de escolha para todos os gostos.
Se costumam enviar postais a desejar boas festas, porque não juntar o útil ao agradável e ajudar crianças de todo o mundo?

A Animais de Rua é uma Associação com a qual contactei bastante durante o meu estágio curricular. Funciona à base de voluntários que recebem formação para poderem apanhar gatos de rua recorrendo a armadilhas com comida. Depois de examinados, são esterilizados para não aumentar a população destas colónias de rua. Os mais pequenos ou meigos são considerados para adopção, mas os mais velhos que não se dão, de todo, com humanos são devolvidos à sua colónia.
É um excelente presente para quem adora animais.

(Para aquela amiga marota, têm a alternativa do calendário solidário dos Bombeiros Sapadores de Setúbal que reverte a favor da Associação dos Amigos dos Queimados.)

Fiquei quase chateada por ter feito a minha encomenda tão cedo este Natal, porque pouco depois a marca lançou três sabonetes alusivos à época e com óptimo aspeto. A It's Soap to You é um projeto da Francisca, com sabonetes artesanais, com aromas adequados a cada estado de espírito, recorrendo à aromaterapia. Não são testados em animais e não contêm ingredientes de origem animal. O problema é só mesmo escolher! 
Até 1 de Janeiro, por cada sabonete vendido, é doado 1€ à Liga Portuguesa Contra o Cancro. 


Ideia extra: Raspadinhas. Para além de apoiarem a Santa Casa da Misericórdia, é uma prenda barata e que pode até resultar numa boa quantia para quem a recebe.


Tenham uma óptima semana!

Com amor,
Catarina

sábado, 2 de dezembro de 2017

Linda Leiria - Músicos do Liz

Posso não ser das pessoas mais atentas às novidades da música e confesso-me um bocadinho mainstream no gosto musical. Porém, funciono muito por fases. Sou daquelas pessoas que quando encontra um artista que gosta ou quando está no mood para um tipo de música, ouve mesmo até se cansar.
Com a escrita da tese, para além da música clássica e outros géneros sem letra - senão começo a cantarolar e distraio-me - a Surma tem estado na minha playlist. Para quem não conhece, "Surma" é na verdade um projeto da artista Débora Umbelino, natural de Leiria. Conheci-a no Liceu ainda ela tinha o cabelo encaracolado, escuro e comprido, e pertencia à banda "Backwater and the Screaming Fantasy". Sempre foi uma querida e foi com muito orgulho e admiração que fui acompanhando à distância o seu projeto a solo, que me faz sentir vitoriosa cada vez que a oiço na rádio. Não costumo ouvir muita música alternativa, mas as suas canções Hemma e Maasai fazem-me sentir que estou debaixo de água a ouvir um canto de sereia e a sentir-me imersa em felicidade e tranquilidade.
Depois, lembrei-me que na minha cidade há várias bandas que se iniciaram nos tempos de Secundário e agora têm sucesso nacional e internacional e decidi partilhá-las por aqui.
Um agradecimento especial à minha amiga Ana por me ter ajudado a escolher as canções!






Já conheciam algum destes leirienses?

Tenham um óptimo fim de semana!

Com amor,
Catarina

terça-feira, 28 de novembro de 2017

E de repente... falta um mês.

Eu sou daquelas pessoas que se apercebe do que a perturba ou o que deseja consoante o que sonha. Quer seja retomar o contato com alguém de quem sinto saudades, quer seja acontecerem aqueles cenários aterradores que nos fazem sentir aliviados quando acordamos e nos apercebemos que se tratava apenas de um sonho.
Na outra noite sonhei que estava numa defesa da dissertação de mestrado de alguém, com as minhas amigas do curso e que todas já tinham entregado a sua tese e estavam preocupadas por eu ainda não ter acabado a minha.
Não quero nada que este sonho se torne realidade, mas a verdade é que neste momento a minha tese está a cerca de 50-55%. Acredito com todo o meu ser que o meu nível de produtividade aumentará consoante a proximidade do prazo, mas o facto de faltar um mês começa-me a pôr nervosa. A minha orientadora está optimista, mas só quer ler o que fiz quando já estiver praticamente completo, o que me preocupa, porque tenho medo da estrutura da minha revisão bibliográfica não ser a melhor. A parte da discussão sei que será relativamente mais simples, mas demoroso por causa dos gráficos e tudo mais. Só espero que a minha motivação continue em alta, porque sei que estou a caminho de uma crise emocional nas últimas semanas de Dezembro.
Desejem-me sorte e não se admirem se as publicações por aqui começarem a rarear entretanto.

Com amor,

Catarina

domingo, 26 de novembro de 2017

Biblioteca da Marquesa - Uma Morte Súbita

J. K. Rowling será sempre uma das minhas escritoras favoritas por ter trazido ao mundo o universo de Harry Potter. Os seus livros tinham páginas a menos para a vontade que eu tinha de continuar a ler imersa naquele mundo e conhecer melhor todos os personagens.
Quando o livro "Uma Morte Súbita" chegou cá a casa, não tive coragem de o ler. Estava com muito medo de ficar desapontada e de não gostar das histórias de J. K. Rowling num registo mais adulto. Sei que "cheguei" tarde, mas fico feliz por ter feito esta leitura.
Este foi um daqueles livros que me custou muito (tempo e paciência) a entrar na história. Tem umas vinte personagens e com nomes ingleses completamente comuns, por isso só a meio do livro é que comecei a distinguir eficazmente cada um. 
Basicamente, a história passa-se numa pequena vila inglesa, em que morre um dos membros da assembleia comunitária numa altura em que se debate se um bairro social deve sair ou não da responsabilidade da mesma. O candidato que ganhar a inesperada eleição poderá fazer a diferença.
A história começa vagarosamente e parece-nos ter imensos pormenores desnecessários, mas é à medida que avançamos as páginas que vamos entendendo como tudo encaixa e a acção verdadeiramente dita acontece. Não estava à espera de tantas reviravoltas e o final é, para mim, revoltante. Mas no bom sentido, porque deixa-nos a pensar. Para mim, este livro não é sobre aquelas vinte personagens em particular, mas sobre a mentalidade e política de pequenas cidades inglesas. E a lição sobre a vaidade das pessoas, o egoísmo e a alienação de algo apenas porque é diferente podia perfeitamente ser repetida cá. 
Se, como eu, têm este livro à vossa espera e não sabem se hão-de dar-lhe uma oportunidade ou não, confiem em mim. O início custa, mas o resto vale muito a pena.


Tenham uma óptima semana!

Com amor,
Catarina

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Lista para o Pai Natal

Acho que não é demasiado cedo para partilhar wishlists de Natal, visto que já elaborei a minha listinha a pedido da mamacita.
Eu própria já comprei a prenda de Natal para o meu namorado, e lá em casa também já está uma boa percentagem das prendas natalícias que ofereceremos à família e amigos (graças à Dona Organização que é a minha mãe). Acho que a única desvantagem de fazer as compras antecipadamente é ultrapassar a validade do talão de troca. Felizmente, não temos tido muitos problemas nesse sentido ora por as prendas serem de sítios mais locais e pequenos, ora por conhecermos bem o gosto dos contemplados.
Vamos então aos meus desejos deste ano, que transparecem bem o meu lado prático e preocupação com o meu futuro profissional.


1. As minhas Merrell têm-me aquecido os pés quase diariamente nos dias frios dos últimos 3 anos, mas já começam a ficar danificadas, principalmente no seu interior. Vi estas Maya da Nae Vegan Shoes e acho que serão umas óptimas substitutas, para além de giras. 
(Entretanto ficaram esgotadas no meu número, por isso em alternativa estão estas, que me parecem quentinhas, na lista)

2. Para quem me tem acompanhado sabe que uma das minhas artistas preferidas do momento é a querida Mallu Magalhães. Gostava muito de ter o seu álbum mais recente - Vem - para poder ter uma condução ainda mais animada e feliz.

3/4. Estes são dois dos livros de bolso que já vi colegas meus e veterinários usarem. Já tive o "The Small Animal Veterinary Nerdbook" nas mãos e realmente tem tabelas e informação esquematizada muito útil para qualquer veterinário que queira confirmar ou relembrar informação ali num instante. O "Mini Vet Guide" é mais barato e também o tenho visto nos bolsos de alguns colegas meus.

5. Eu nunca tive qualquer contato com o mundo profissional, a não ser em estágios, por isso gostava muuuito de ter uma ideia do que me espera daqui a uns meses. Currículos, cartas de apresentação e entrevistas de emprego são algo que me deixa nervosa e penso que o livro "Licenciei-e... E agora?", escrito por uma blogger portuguesa que admiro, será uma mais-valia.

E vocês, já têm uma ideia do que gostavam que vos calhasse no sapatinho este ano?

Tenham o resto de uma óptima semana!

Com amor,
Catarina