quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Update do Estágio

Nem acredito que já estou quase a completar metade do estágio.
Se antes tinhas dúvidas quanto a me ter restringido geograficamente, a não ter pesquisado mais sobre locais e por não ter ido para um local maior e com uma maior casuística, todas se foram dissipando.
"Somos poucos mas bons" serve que nem uma luva à equipa, que é unida, complementa-se e onde todos se entre-ajudam para chegar ao objectivo: fazer a melhor abordagem e o melhor tratamento ao animal.
 Para além da parte científica da coisa, tenho aprendido imenso na parte humana. Sobre o quão bem sabe um "obrigado" ao final do dia, mesmo que tenhamos feito apenas o nosso trabalho -prática que comecei a aplicar. Aprendi que estudar não é um sinal de vergonha, mas sim de inteligência e interesse para saber se o que era verdade ontem continua a fazer sentido hoje. Aprendi que não há nada como deixar tudo escrito para os restantes colegas verem, pois há proprietários que, intencionalmente ou não, acabam por distorcer o que dizemos e trocar as indicações médicas todas.
 Pelo meio ainda não comecei a estudar para a tese como devia, mas espero mudar isso em breve.
 Estou a adorar esta fase da minha vida.


Bom resto de semana!

Com amor,
A Marquesa


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Manjares da Marquesa - Mac & Cheese de Couve-flor

Adoro cozinhar, mas o meu calcanhar de Aquiles é mesmo fazer comida para grupos. Enquanto que quando é só para mim adoro improvisar e trabalhar com o que gosto e tenho em casa (o meu namorado também é cobaia às vezes), quando se trata de mais gente tenho medo de falhar, porque aí é muita gente a ficar desiludido e, pior, com fome.
Por isso, quando vi uma receita numa revista que a minha mãe me trouxe da sua visita à Irlanda, decidi pô-la à prova (com algumas modificações) para ver se depois pode ser uma das apostas certeiras quando precisar de alimentar batalhões.




quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Fantastic Beasts And Where To Find Them

Ontem, a convite de uns amigos, eu e o meu namorado decidimos adiantar a nossa ida ao cinema ver "Fantastic Beasts And Where to Find Them" para a antestreia no Imax do Colombo. Tendo em conta que a última vez que lá fomos foi para ver Star Wars Episódio VII, desta vez a sala estava muito vazia. 
Vamos directos ao que interessa my fellow potterheads? Não, o filme não me desiludiu. Sim, acho que vale a pena ir ao cinema.
 Para contextualizar o enredo do filme aos fãs do Harry & Cia., lembram-se de n'"O Prisioneiro de Azkaban" eles terem a disciplina de "Care of Magical Creatures" com o Hagrid? Um dos livros para essa disciplina foi escrito por Newt Scamander. Já estão a adivinhar o nome do livro, não?
Numa edição especial para ajudar uma instituição solidária, J. K. Rowling trouxe então ao mundo dos Muggles esse manual, que é um mini-livro em formato de enciclopédia com uma nota introdutória de Albus Dumbledore e alguns apontamentos do dono do livro, o famoso Harry.
 A história da longa-metragem baseia-se então na vida de Newt Scamander. Nos anos 20, este antigo aluno de Hogwarts encontra-se a percorrer o mundo para estudar criaturas mágicas e a acção começa na sua chegada aos Estados Unidos da América. Para além de acompanharmos o Newt na sua aventura e luta para que os feiticeiros deixem de ver os monstros como coisas assustadoras de que se devem livrar, ficamos a saber um pouco mais sobre a história da Magia e os hábitos dos feiticeiros daquele continente.
Com mistério, imagens lindíssimas, um excelente uso dos efeitos 3D, óptimos desempenhos e caracterizações, uma banda sonora envolvente e a magia que nos deixou maravilhados em crianças, considero que J. K. Rowling saiu vencedora nesta nova aposta. 
Recomendo!




terça-feira, 15 de novembro de 2016

Esquisitices do Blogger

 Quando criei o meu primeiro blog, usei o meu gmail pessoal. Tudo nos conformes até que um há uns tempos vejo que ao querer seguir um blog, me pede para seguir com o meu perfil Google+ (que é pessoal). Vi que ao adicionar um blog à "Lista de Leitura" pelo link não me pedia isso por isso deixei andar.
 Depois surgiu outra coisa que me irritou profundamente: seleccionar alguém pelo widget de seguidores e ter acesso aos blogs que essa pessoa segue mas não ao blog dessa pessoa.
 Até que vi por uns tweets da Inês do Bobby Pins que o que eu andava a fazer para seguir novos blogs, deixava-me a seguir apenas anonimamente. Aí foi a gota de água.
 Como entretanto já tinha criado um email para o blog, criei também um perfil Google+ e adicionei essa conta aos autores do Marquesa de Carabá.
 Depois, como queria seguir com esta nova conta, fiz um apanhado geral dos blogs que queria seguir. Se vos disser que exclui metade dos blogs que seguia no antigo parece muito mau, mas tem que se ter em conta que já cá ando há quase 9 anos, portanto 90% desses blogs já estavam parados ou foram apagados. Por acaso soube mesmo muito bem fazer esta limpeza, por isso quase que diria que só por isso valeu a pena.
 Agora vamos ver se esta plataforma não nos prega mais partidas...



Tenham uma óptima semana!

Com amor,
A Marquesa

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

8 Formas de Relaxar Antes De Ir Dormir

Desde que entrei na faculdade e comecei a ser eu própria a regular os meus horários de sono, tenho tentado arranjar artimanhas para dormir pelo menos 8h.
Parece simples, mas muitas vezes já estou supostamente preparada para dormir e depois é que me lembro que tenho de fazer qualquer coisa, ou distraio-me a ver redes sociais, ou não consigo parar de pensar em qualquer coisa que me mantém desperta.
 Por isso, se tenho que me levantar às 7.30h da manhã (por exemplo), sei que às 23h da noite já tenho que ter tudo preparado para o dia seguinte, assim como deixar de parte aparelhos electrónicos cuja luz do visor faz o meu organismo pensar que ainda é dia. Os 15 minutos seguintes são dedicados a relaxar o corpo e a mente para assim que pousar a cabeça na almofada o João Pestana actuar.

1. Ler
Quando era pequena os meus pais contavam-me a mim e ao meu irmão histórias para adormecer. Já sabendo ler, comecei a participar na leitura destes contos e depois passei a ler eu sozinha. É quase um trigger: assim que começo a ler duas ou três páginas de um livro, começo a sentir as pestanas a ficarem mais pesadas. A excepção são alguns enredos que me deixam mais entusiasmada e sem vontade de pousar o livro, por isso é melhor ir vendo as horas.

2. Yoga
Esta é uma prática bem mais recente que a última na minha vida, mas é das que mais gosto. Se há rotinas de Yoga que nos deixam mais energizados e revigorados, também há outras que servem para nos relaxar e fazer desligar do mundo enquanto alongamos os músculos cansados pelo nosso dia. Fiz há pouco tempo este vídeo aqui da minha yogi preferida, que me fez ir dormir sossegada e com um sorriso no rosto.

3. ASMR
Já alguma vez sentiram uns arrepios na cabeça ao ouvir alguns sons ou, por exemplo, pessoas com uma voz calma e baixinha? Era algo que já me tinha acontecido, só que até uma amiga minha me falar do ASMR (Autonomous Sensory Meridian Response) não sabia que esta sensação tinha um nome. Foi através da partilha de experiências através da internet que se descobriu o fenómeno (engraçado, não é?) e pouco depois, ao irem parar vídeos para o Youtube, começaram a popularizar-se como métodos para relaxar e adormecer. Há várias categorias dentro da "arte", mas eu gosto mais de vozes feminas e calmas, assim como de roleplay, por isso a Sabrina, a Darling e a Amanari são algumas das youtubers que me fazem adormecer como um bebé.

4. Música
Também na onda de sons, podem experimentar ouvir músicas mais calmas ou sons que vos façam suspirar de bem-estar (tipo barulhos da floresta amazónica ou do mar). Atenção é a quem adormecer com auscultadores ou fones nos ouvidos, para não os estragar!

5.Massagem
Se tiverem alguém disposto a dispensar nem que seja 5 minutos a tirar a tensão desses ombros ou a afagar a cabeça (até um cafuné, se for a vossa cena) aproveitem bem. Se não, aprendi que uma auto-massagem aos nossos pés em posição de borboleta sabe maravilhas ao fim de um longo dia.

6.The Big-O
Deus, a mãe-natureza ou a selecção natural fez com que fôssemos dos únicos seres vivos que conseguem libertar (voluntariamente) hormonas de relaxamento, as chamadas endorfinas. Para alcançar esse objectivo, é mais ou menos como jogar à Sueca: ou se tem um bom par ou uma boa mão. I'm talking about s-e-x.
Mais uma vez, atenção às horas meninos e meninas.

7. Chá
Esta eu aconselho a fazerem ainda mais cedo, pelo simples facto de não gostar de me levantar a meio da noite pelo efeito diurético que o chá costuma causar em mim. Não só o sabor, a temperatura quentinha e o cheiro agradável me sabem a vida, como há de facto alguns efeitos tranquilizantes em alguns chás como o de tília e o de cidreira. Atenção ao chá preto e verde que contêm cafeína, por isso não devem ser consumidos quando querem ir dormir.

8."Meditação"
Pus a palavra entre aspas porque na verdade não se refere a uma meditação concretamente dita. Todas as tarefas acima descritas promovem o Mindfulness, aquela sensação de estar consciente do presente e de não pensar em mais nada senão nas sensações que o ambiente nos transmite. É uma grande dificuldade minha viver o presente e não me pôr sempre a pensar nos receios do futuro, tristezas do passado ou até mesmo realidades alternativas. A "Headspace" é uma app cujo objectivo é mesmo esvaziar a cabeça de pensamentos, como na meditação, excepto que nela temos ajuda de uma voz guia que nos diz no que reparar e pensar. Ainda só a experimentei uma vez, mas achei muito interessante e sossegado.


Também têm alguma destas rotinas antes de irem dormir?


Tenham um óptimo fim de semana!

Com amor,
A Marquesa

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Trump, prove us wrong

Podia dizer que estou assustada, desiludida e triste. Podia mal-dizer os que votaram nele, queixar-me de quem o partido Democrata escolheu para ser representado, ou do próprio partido Republicano ter deixado este homem chegar-se à frente. Podia dizer que lamento do coração a todos os americanos que têm o "azar" de ser imigrantes, islamicos, mulheres, de raça que não a branca e de orientação sexual que não a heterossexual. 
 Mas as palavras já não valem de nada, o povo americano votou. 
Mesmo sabendo que as decisões e a governação do país são maioritariamente tomadas por pessoas que não o Presidente, de qualquer maneira foi naquele porta-voz que representa uma infinidade de coisas que pensávamos ter ficado no século passado, que a maioria das pessoas pensou ao preencher o boletim de voto.
 Por isso resta-me desejar. Desejar não o pior, mas o melhor ao próximo Presidente dos Estados Unidos. Desejar-lhe muito amor, paz e bom-senso para que tome as decisões certas. Desejo mesmo que daqui a uns meses (ou no final destes 4 anos) o mundo fique estupefacto por o mandato ter trazido mudanças para melhor e ser um exemplo de justiça, solidariedade e gestão ponderada.
Please Trump, prove us wrong.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

O lado bom

Se há uns dias falei sobre o dia mais triste até hoje do meu estágio, hoje queria falar sobre o mais feliz.
 Estava a estagiar durante o fim de semana e veio a consulta uma Buldogue Francesa, já acompanhada por nós, que o dono temia já estar a demonstrar sinais de parto. Como exemplar típico da sua raça, já se sabia por estudos radiográficos, que o parto teria de ser por cesariana porque os bebés já tinham uma cabeça maior do que o canal de parto da sua mãe. Na consulta viu-se que ainda não estava na hora, mas que estaria para breve, por isso a veterinária perguntou-me se não me importaria de ficar "on call" só para o caso de a cadela começar a ter as suas contrações durante a noite. (E eu respondi um sim descontraído quando por dentro estava aos pulinhos!)
 Às 3.40h da manhã recebi a chamada.
Cheguei e já cá estava a cirurgiã, assim como a médica. Entre pôr a cadela a anestesia e começar a cesariana em si passou tudo num ápice e quando dei por mim já tinha um recém-nascido nas mãos. Como estavam previstos 6, não havia mãos a medir e fomos fazendo as manobras de ressuscitação assim que saíam do útero da mãe e colocando-os no quentinho. Afinal foram 7 e ficaram todos rosadinhos e sem complicação alguma.
 Depois do efeito dos analgésicos passar à mãe, pudémo-los então pôr a mamar e encaminhá-los cuidadosamente para ter a certeza que todos ingeriam colostro e ficavam de barriguinha cheia. Foram no total 3 horas trabalhosas mas prazerosas, porque acho que é mesmo das partes mais bonitas do nosso trabalho.
 A veterinária agradeceu-me por este grande favor, mas fui sincera quando disse que eu é que agradecia, pois tinha sido uma experiência incrível que me fez sentir mais preparada para a minha vida profissional.



E com uma foto de cachorros recém-nascidos (não os que assisti, obviamente) me despeço.


Tenham uma óptima semana!

Com amor,
A Marquesa

domingo, 6 de novembro de 2016

Tri

É saber popular de que os amigos de faculdade são amigos para a vida.
Faz sentido... parecendo que não, são 3 a 6 anos em que crescemos, sofremos e partilhamos momentos com essas pessoas. Penso que, quanto mais velhos somos, mais difícil é fazer amigos. Mas por outro lado, os que conseguimos fazer são amigos dos bons e duradouros, porque a pessoa que somos já não irá passar por tantas mudanças de carácter e seremos mais fieis a nós mesmos do que na adolescência, por exemplo.
 Com isto digo que tenho imensas saudades do meu grupo de amigos da faculdade. Dos mais próximos, éramos uma dezena e "fugimos" para vários pontos do país para estagiar. Desse grupo destaco ainda as minhas duas "M's".
 Se há quem acredite em amor à primeira vista e no destino, então tenho que dizer que com estas amizades foi isso que aconteceu. A pessoa a quem me "fizeram" dar a mão para nos deslocarmos em fila e aos pares logo no primeiro dia de praxe é a pessoa que sinto que nunca mais me largou a mão durante o resto do nosso percurso académico. Sempre me apoiou, afastou as minhas inseguranças e nunca me deixou desistir.
A outra foi uma cara que conhecia de vista, não partilhássemos a mesma cidade natal, que demonstrou ser daquelas pessoas com as quais somos instantaneamente compatíveis, que tem um sentido de humor parecido ao nosso e que só abre a sua parte mais afectuosa a poucos e poucas vezes (o que torna esses momentos ainda mais especiais).
 Fui visitá-las o fim-de-semana passado ao Porto, onde se encontram a estagiar. Se em Setembro me custou não voltar a vê-las na nossa badalada rotina de aulas, custou-me ainda mais despedir-me delas depois de dois dias em que confirmei que a nossa amizade em nada mudou. 
Faltam 2/3 de uma parte de mim, que sei que nunca serão preenchidos por mais ninguém.




Desejo-vos uma óptima semana!

Com amor,
A Marquesa