sábado, 3 de fevereiro de 2018

Animais da Blogosfera #1 - Lì & Bolacha

Bem-vindos à primeira publicação da rúbrica “Animais da Blogosfera”.
Como primeira convidada, trago-vos a minha amiga Mariana, do blogue de fotografia “Mariiana Capela”. É uma mulher dos sete ofícios: tem um trabalho a tempo inteiro, fotografa em part-time e de momento está a frequentar um curso de Informática. Nisto tudo ainda consegue encaixar os passeios pela floresta com os seus cães, Bolacha e Lì, e o seu namorado, com quem vive actualmente na Bélgica.


Em primeiro lugar, obrigada por teres aceite o convite e seres minha cobaia nesta experiência. Antes de passarmos aos teus "cãopanheiros" atuais, podes dizer-me como foi a tua experiência com animais de estimação na infância e adolescência?
Quando era miúda tinha imenso medo de cães e berrava quando via um, era quase como ver um "demónio". O meu pai teve a estranha ideia de me obrigar a deitar a minha cabeça em cima do Golden Retriever dele para eu ver a reacção do cão. Ele já sabia o feitio espectacular daquele cão, que se deixou estar, e aos poucos fui perdendo o medo dos cães. Ironicamente, agora sou louca por eles! Sinto-me muito grata pela intervenção dele.
Na adolescência tive cães, mas eram responsabilidade da minha mãe, não minha. Adoro-os muito, mas não se compara ao amor que se tem quando são mesmo nossos. É outro nível.

A Bolacha foi a primeira cadela com que tiveste a relação de cão-tutora? Como se escolheram?
Antes dela tive a Miminho, que foi morta por caçadores com carne envenenada e vidro moído. Foi a primeira vez que senti a dor horrível da perda de um animal. Ela era tudo para mim. 
Depois dela ainda tive a Mimi que morreu de parvovirose.
Escolhi a Bolacha porque era diferente de todos e super patusca. Pareceu-me a mais frágil e como a dor da perda da Miminho e da Mimi ainda estava tão presente, achei que podia proteger esta. Não sei… apaixonei-me.


Na altura, devido a acontecimentos infelizes, a Bolacha teve um período de infância resguardada tanto do mundo exterior, como de interações sociais. Gostava que me falasses de como isso afectou a personalidade e comportamento dela nos primeiros anos.
Ela tornou-se completamente anti-social. Não aceitava qualquer tipo de pessoa ou animal e tinha imenso medo de ir à rua. Durante dois anos trabalhei a sociabilidade dela com pessoas. Ainda não está perfeito, reage mal a pessoas novas, mas basta uma festinha para ela confiar enquanto antes eram precisas horas de trabalho à volta dessa pessoa.
Não podia sequer cheirar cães e tentava atacá-los. Agora aceita facilmente cães pequenos e reage assim-assim a cães grandes, porque infelizmente já foi atacada várias vezes por cães grandes desde que iniciámos estes treinos.
Outro ponto igualmente importante é o facto de ela não ter aprendido a brincar. Não roía nada, não corria atrás de nada, não brincava com nada nem cão nenhum. Simplesmente não sabia o que isso era.

A Bolacha está uma cadela diferente, cada vez mais sociável e confiante. Que tipo de estratégias e treino utilizas para a tornar mais equilibrada e feliz?
Nada de mais… não sou profissional mas tento que ela esteja o máximo de vezes possível com pessoas diferentes. Peço sempre para não terem medo dela e darem-lhe logo festinhas. Ela ladra imenso, mas assim que alguém se baixa sem medo e lhe dá uma festinha ela acalma-se. Relativamente a cães, fiz pet-sitting durante muito tempo e ela era “obrigada” a conviver com cães estranhos, mas sociáveis. Em pouco tempo aceitava-os e até os tratava, lavando-os. Quando está mais desconfortável mas fora de perigo, peço-lhe para fazer exercícios e recompenso-a com comida. Ela adora!

O Lì juntou-se à família há pouco mais de um ano. Como é que surgiu a oportunidade de adoptar este cachorro?
O meu namorado queria muito ter um cão. Tentámos adoptar nas associações aqui da Bélgica mas é super difícil. Vimos a ninhada do Lì (em Portugal) para adopção e foi do género “Cães para adopção?! É agora!”.


Qual foi a reação da Bolacha à vinda deste pequeno cão cheio de energia e vontade de brincar?
Tenho a certeza de que os pensamentos dela foram: “Quando é que este pet-sitting vai embora?” “Tirem-me este mal-cheiroso daqui!”, “Acham normal ele ter feito xixi na minha cama?!”, “Por favor, levem-me daqui!”. Ela não o suportava muito, ele estava constantemente colado a ela, não a largava e só queria dormir em cima dela…
Mas depressa se tornou mamã e começou a cuidar dele e a ensinar-lhe os limites (embora não muito bem, visto que ele acabava sempre por ganhar).


E quais são as principais diferenças na personalidade dos dois?
A Bolacha é uma diva. Gosta de estar perto de nós (colada) mas é dona do seu nariz. Adora passear e pode andar quilómetros, ao contrário do Lì.
O Lì é “parvo”, uma criança cheia de energia que faz coisas das quais ninguém está à espera e que são definidas por “ser Lì”. É muito companheiro, brincalhão, adora pessoas e é louco por cães.
O facto de ele ser tão brincalhão ajudou e mudou muito a Bolacha. Passou de cadela que não sabe o que é “brincar” para uma que corre pela casa atrás de uma bola, não descansa até destruir o brinquedo e até os disputa com o Lì. São inseparáveis e adoram-se um ao outro. 

Mais uma vez, um enorme obrigada à Mariana por ter partilhado uma parte tão especial da sua vida através de palavras e fotografias. Visitem o blog e sigam-na nas redes sociais (Instagram, Facebook) que vale mesmo a pena para trazer coisas bonitas e positivas à vossa vida.

Tenham um óptimo fim-de-semana!

Com amor,
Catarina

13 comentários:

  1. Respostas
    1. O prazer de conhecer melhor os "miúdos" foi todo meu :)

      Eliminar
  2. Gostei imenso da rubrica ^^, tem imensa qualidade! E as fotos são uma delícia. Dá vontade de os trazer para casa xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estrear a rubrica com uma fotógrafa que adora tirar fotografias aos seus cães dá um enorme gozo :)
      Obrigada e beijinhos!

      Eliminar
  3. Ora aqui está uma rubrica diferente :D
    Muito bem conseguida!

    Visita o Meraki Meraki
    Redes sociais: Facebook || Instagram

    ResponderEliminar
  4. Gostei tanto desta estreia da tua rubrica! Acho que está super bem concebida, parabéns! :D
    E adorei conhecer estes cãopanheiros tão bonitos e com uma história feliz juntamente com quem os ama.
    Fico à espera de mais :D beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico mesmo muito feliz por teres gostado, obrigada!
      A história é sem dúvida amorosa e a família também :)
      Beijinhos!

      Eliminar
  5. Oh pah adorei! Vou seguir atentamente a Bolacha e o Li, são uns amores :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada!
      Fico contente por ter conseguido transmitir o quão amorosos estes dois são :)
      Beijinhos!

      Eliminar

Querido marquês ou marquesa, sente-te à vontade para "opinar" :)