domingo, 9 de abril de 2017

Então e como vai a tese?

Esta fase da minha académica é estranha. Durante 6 meses estagiei uma média de 9 horas por dia, 6 dias por semana, num ritmo acelerado sempre com tarefas para fazer no momento. Adorei a experiência e quando terminou de um momento para o outro foi muito estranho. De qualquer maneira, estava ocupada em repôr horas de sono, viajar para a Irlanda com o meu namorado e ver lá os meus tios, ter uma toxinfeção alimentar e rever os meus amigos. Só vos tenho a dizer que não me lembro da última vez que tive uma vida social tão activa. Como não tenho horários nem um sítio obrigatório para estar é muito mais fácil dizer que sim a toda a gente e fazer planos com as pessoas de quem gosto.
 Já a tese em si... segundo a minha orientadora está encaminhada, o que não deixa de ser verdade. Escolhi o meu tema, tenho os dados necessários dos casos que vi durante o estágio e já sei a estrutura da minha dissertação. Só falta pôr as mãos à obra. O que acontece é que sempre fui uma rapariga trabalhadora, mas cuja principal motivação são os prazos. Eu bem tento começar a fazer as coisas com antecedência, mas é depois aquela adrenalina, a frustração e exasperação dos momentos finais que me faz escrever como um poeta que encontra a sua musa. Estupidamente são esses trabalhos que escrevo com lágrimas e dores de barriga do stress que têm melhor classificação. Malditos.
 Portanto, embora vá tentar continuar a aproveitar as oportunidades para estar com as minhas pessoas, vou tentar impingir a mim mesma prazos. Ontem até já fiz esta imagem a seguir para os objectivos do próximo mês, que defini como fundo do ambiente de trabalho para causar alguma pressão. (Tenho que seguir os meus próprios conselhos).



Tenham uma boa semana!

Com amor,
Catarina

2 comentários:

Cláudia S. Reis disse...

Força!! Quanto mais cedo acabares mais cedo estás despachada para aproveitares os dias da melhor maneira :)

Diogo Figueiredo disse...

Tu consegues honey! Acredito em ti!

Your master;
<3